Foz do São Francisco e Piaçabuçu

Veja o índice desse artigo

Foz do São Francisco e Piaçabuçu

O Velho Chico com seus 240 quilômetros de extensão dentro do território de Alagoas, encanta a todos que o conhecem. O passeio de barco ao Cânion do Xingó é o mais impressionante na região da divisa com Sergipe e parte do município de Piranhas.


Vinte e cinco quilometros adiante, o Pontal  do Peba é a última praia antes das dunas e da Foz do São Francisco. Tem uma faixa larga de areia dura, e por isso é point de praticantes de windcar.

Já à beira do São Francisco, o vilarejo de Piaçabuçu, a 110 km de Maceió, é o ponto de partida para os passeios de barco à Foz do São Francisco.

O Rio São Francisco é o maior rio genuinamente brasileiro e um dos mais importantes da América do Sul. Conhecido como Velho Chico, o rio tem nascente em Minas Gerais e passa por estados como Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. Entre Alagoas e Sergipe fica a foz do Rio São Francisco e o passeio vale a pena para quem está hospedado em ambos os estados.

A paisagem ao longo do rio é belíssima e rende um ótimo passeio ao ar livre. Durante o trajeto, é possível observar a bela mata ciliar e moradores da região que tiram seu sustento da pesca. O encontro das águas não é tão aparente quanto o encontro do Rio Negro e do Solimões, pois o rio e o mar já não têm cores tão distintas, mas o lugar tem uma beleza singular.
 

DSC05912.JPG
Terminal Turístico

Várias empresas de Maceió oferecem o passeio, mas você pode fazê-lo sem agências, indo até Piaçabuçu por conta própria. Se você for até o terminal turístico (foto), às margens do rio, e andar para o lado esquerdo de quem olha para o rio, você vai encontrar sempre moradores que são pescadores ou possuem canoas.

Pergunte se sabem de alguém que leve vocês até à foz, assim você pagará muito mais barato, vai pegar uma canoa exclusiva pra duas pessoas e ainda ajudará diretamente uma família local (Quem levou a gente foi o Luciano, pergunte por ele, ele fazia por R$100 o casal fechando direto com ele).

O único ruim dessa forma é que eles não dão explicações durante o passeio, mas se vocês pesquisarem antes, pode valer a pena.Caso não encontre ninguém por alí, vá até a associação de barqueiros, no porto e peça pra fretar um barquinho.

Curiosidade: Em frente a esse terminal turístico, há uma escadaria onde foram gravadas algumas cenas do filme ‘Deus é Brasileiro’. Tentem lembrar da cena em que umas mulheres estavam a lavar roupas nessa escadaria, como mostra na imagem a seguir.

Escadarias
Escadarias do filme ‘Deus é Brasileiro’
256813_158824327516908_1197584_o

Essa foto foi tirada da primeira vez que fomos lá, e o edifício nem era ainda um terminal turístico.

Da primeira vez que fomos, fizemos o passeio com barco de turismo, fechado com uma cia turística, era um barco grande, com vários turistas e o pacote vinha um almoço que servia para praticamente te obrigar a comer onde eles indicavam.

Porém, da vez mais recente, nós fretamos uma canoa com um pescador local, e foi muito diferente. Conseguimos conversar com ele e entender um pouco da dinâmica local.

Enquanto esperávamos, sentamos perto de moradores e eles nos deram inclusive um pote de camarão que eles estavam comendo e nos deram cerveja pra acompanhar, rs, super hospitaleiros.

Conseguimos levar bebidas na canoa também, eles nos emprestaram a térmica e foram comprar bebida pra gente no mercadinho próximo.

Pergunte pra eles sobre a possibilidade de parar no banco de areia no Rio. Há um banco de areia que às vezes fica visível e é possível ir lá se você estiver de canoa com hélice móvel (Que era o nosso caso).

Essas são as fotos do meio o rio, em cima do banco de areia, de um lado Alagoas, do outro, Sergipe.

Recomendamos uma parada para mergulho no rio e outra nas belas dunas de Piaçabuçu. Se o porte da embarcação permitir, é interessante, também, parar em uma pequena ilha onde antigamente existia um povoado sergipano e que, por conta das mudanças que o rio sofreu, não existe mais.

Nessa ilha está um farol abandonado muito bonito, em que se pode subir, caso a maré permita. Seguem as fotos das dunas:

Às margens do rio, vale também a visita às cidades de Penedo, cheia de construções centenárias preservadas, e Pão de Açúcar, com um belo acervo arquitetônico e sítios arqueológicos.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Clique aqui para receber grátis a cotação diária do Euro e Dólar

Já existem formas mais inteligentes e baratas que enviar pelo banco.

Envie dinheiro com segurança pela melhor taxa de câmbio do Brasil

Clique aqui pra fazer a sua simulação e use o cupom: 5CANTOS

Sobre mim

Olá, meu nome é Ingrid.
Sou Engenheira, Foodie e Escritora de viagem :)

Tenho uma curiosidade infinita pelas diferentes formas de viver, culturas, tradições e sabores.

Já passei por mais de 30 países e hoje sou nômade digital, trabalho de qualquer lugar do mundo, mas escolhi o Porto como lar.

Conecta-te comigo
Planeje sua Viagem
Descubra os buscadores que usamos para pagar mais barato e viajar mais
Grátis
Compartilhe esse artigo com seus amigos

É mais fácil planejar sua viagem com a ajuda do Cinco Cantos

Quando você usa os serviços que usamos e recomendamos, nós ganhamos uma pequena comissão e você não paga nada a mais por isso :)
Essa pequena comissão nos motiva a produzir cada vez mais conteúdos úteis para te ajudar

Autor desse artigo:

1 comentário em “Foz do São Francisco e Piaçabuçu”

  1. O CÂNION DO SÃO FRANCISCO

    O São Francisco é sagrado,
    produzindo muita riqueza,
    fornecendo água e energia,
    além de peixe e muita beleza.

    O Velho Chico nos encanta
    com cachoeiras e muita praia,
    proporcionando muito lazer
    pelo Sertão sem fugir da raia.

    O Cânion do São Francisco
    é o nosso Colorado Brasileiro,
    com mais beleza e exuberância,
    que serviu de lar pra cangaceiro.

    A água com toda a sua força
    fez o cânion, serrando a serra,
    esculpindo tamanha beleza
    ao encerrar a missão na terra.

    É de uma beleza estonteante
    ver as águas cor esverdeada
    contrastando com a Caatinga
    e paredões de cor alaranjada.

    Autor: Sebastião Santos Silva da Bahia

    Responder

Deixe um comentário

Translate »