O que é Vinho Verde

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest
Veja o índice desse artigo
O que é Vinho Verde

Você sabe o que é vinho verde? Se você pensou que é sinônimo de Vinho Branco 🚨 ERRADO!

Ainda que o nome “vinho verde” seja sugestível, ele não se refere exatamente a um vinho de coloração verde.

O estilo de vinho verde pode ser branco, tinto, rosado e até mesmo espumante.

Não encontramos uma explicação definitiva para que o vinho leve esse nome, mas algumas justificativas encontradas foram:

  • Que remete à paisagem natural da região de colinas e montanhas, dominantemente verdes e que mantêm-se assim até mesmo no inverno.
  • O nome é uma referência às uvas produzidas no local que, no passado, eram colhidas ‘verdes’ – antes da sua completa maturação.
  • Remente à alta acidez e frescor, presente nas frutas verdes;
  • Por ser normalmente consumido fresco, é chamado de verde. Mas essa teoria se fragiliza um pouco, pois atualmente há vários vinhos verdes que são ótimos para guarda, jogando por terra a falácia de que vinho verde deve ser consumido em no máximo dois anos após sua colheita.
  • Há outra que diz que é chamado de verde por ser jovem, ou seja, que está pronto para ser beber sem passar por períodos de maturação nas barricas ou em caves.

Onde é produzido o Vinho Verde

O Vinho Verde é um vinho produzido exclusivamente na Região Demarcada dos Vinhos Verdes [veja na próxima foto], que fica a noroeste de Portugal.

Essa região é especial, pois faz o vinho ter uma concentração em ácido málico superior à de outras regiões de Portugal, que deixa o vinho verde leve e fresco. É um vinho frutado, que agrada muitos paladares. Você provavelmente conhece ou já bebeu algum e de repente nem sabe.

Essa região foi originariamente demarcada a 18 de Setembro de 1908, estendo-se por todo o noroeste de Portugal, na zona tradicionalmente conhecida como Entre-Douro-e-Minho.

É a maior Região Demarcada Portuguesa, e uma das maiores da Europa em termos de área geográfica, representando 15% da área vitícola nacional.

Regiões de Vinho em Portugal

A região se limita no Norte pelo rio Minho, fazendo fronteira com a Espanha, já no Sul é limitado pelo rio Douro e as serras da Freita, Arada e Montemuro. O limite a Leste é marcado pelas serras da Peneda, Gerês, Cabreira e Marão e o limite a Oeste se dá no Oceano Atlântico.

Dentro da região demarcada do Vinho Verde existem sub regiões, que são divididas por questões de ordem cultural, microclimas, tipos de vinho, encepamentos e modos de condução das vinhas.

As nove sub-regiões são:

  • Amarante: integrando os concelhos de Amarante e Marco de Canaveses.
  • Ave: integrando os concelhos de Vila Nova de Famalicão, Fafe, Guimarães, Santo Tirso, Trofa, Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho, Póvoa de Varzim, 8Vila do Conde e o concelho de Vizela, com excepção das freguesias de Vizela (Santo Adrião) de Barrosas (Santa Eulália).
  • Baião: integrando os concelhos de Baião, Resende (excepto a freguesia de Barrô) e Cinfães (excepto as freguesias de Travanca e Souselo).
  • Basto: integrando os concelhos de Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Mondim de Basto e Ribeira de Pena.
  • Cávado: integrando os concelhos de Esposende, Barcelos, Braga, Vila Verde, Amares e Terras de Bouro.
  • Lima: integrando os concelhos de Viana do Castelo, Ponte de Lima, Ponte da Barca e Arcos de Valdevez.
  • Monção e Melgaço: integrando os concelhos de Monção e Melgaço.
  • Paiva: integrando o concelho de Castelo de Paiva, e, no concelho de Cinfães, as freguesias de Travanca e Souselo.
  • Sousa: integrando os concelhos de Paços de Ferreira, Paredes, Lousada, Felgueiras, Penafiel e, no concelho de Vizela, as freguesias de Vizela (Santo Adrião) e Barrosas (Santa Eulália).

Quais tipos de vinho verde existentes

O Vinho Verde é único no mundo. Existe vinho verde TINTO, ROSE e também BRANCO. Dá pra fazer espumante e aguardente dele também. Acredita que nem todo Portugues sabe disso?

Mais um ponto para o Vinho verde: Ele tem moderado teor alcoólico, e por isso é menos calórico.

Os Vinhos Verdes já nascem jovens, leves e frescos mas também são estruturados. Diferente do que muitos pensam, o vinho verde também possui um grande potencial de guarda, aromas e sabores complexos, intensos e minerais.

É possível experimentar uma degustação de vinhos com 10 anos ou mais, sendo eles envelhecidos de diferentes castas, passando estágios em barrica, alguns de vinhas velhas, e também de terroirs diferenciados.

O que precisa pra ser Vinho Verde

Para ser chamado Vinho Verde não basta apenas ser produzido com uvas dessas regiões, precisa respeitar as normas estabelecidas pela lei para receber o selo da DOC. 

A Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) foi criada em 1926 e é responsável por controlar e certificar os vinhos e outros produtos originarios de uvas provenientes da região.

A garantia da qualidade e genuinidade dos produtos com Denominação de Origem Vinho Verde é dada pelo Selo de Garantia, a certificar o Vinho Verde desde 1959.

  • Localização: Não há restrição de área contanto que toda a produção seja realizada dentro da Região dos Vinhos Verdes.
  • Tipo: A legislação permite a elaboração de vinhos brancos, rosés e tintos dos tipos tranquilo e espumante.
  • Volume Alcoólico: Deve estar entre 8,5% e 14% e os espumantes entre 10% a 15% de álcool.
  • Castas: Devem ser elaborados com as castas autóctones da região, veja todas mais abaixo.
  • É permitido a criação de varietais e blends. Contanto, varietais de Alvarinho só recebem a certificação DOC Vinhos Verdes quando elaborados na sub-região de Monção e Melgaço. Exemplares de qualquer outra sub-região recebem a certificação de Vinho Regional do Minho.

Quando a amostra apresentada à CVRVV não cumpre com os requisitos legais para ser certificada como DOC, o exemplar recebe o selo IG Minho. Isso não quer dizer que o vinho é de pior qualidade, apenas que não se enquadra legalmente aos parâmetros pré-definidos.

Quais castas são usadas para o Vinho Verde

As principais castas usadas para:

  • Vinho Verde Branco:
    • Alvarinho – Mais presente em Monção e Melgaço, no vale do rio Minho;
    • Avesso – Mais presente na sub região de Baião no vale do rio Douro;
    • Loureiro – Mais presente no vale do rio Lima;
    • Arinto – Também conhecido localmente por Pedernã
    • Trajadura, Azal, Batoca.
  • Tintos e Rosados: Vinhão, Alvarelhão, Amaral, Borraçal, Espadeiro, Padeiro, Pedral e Rabo de Anho.

Curiosidades sobre o Vinho Verde

Aqui no Porto, na maioria dos restaurantes tradicionais existe o famoso ‘VINHO DA CASA’, e quase 100% deles é vinho verde, tinto ou branco. Então agora quando oferecerem, vc já sabe que vinho está bebendo.

Sabia que esse é o segundo vinho português mais exportado, depois do vinho do Porto. E se você está pensando: COMO? Nunca vi! Sabe o Casal Garcia? O queridinho dos brasileiros…Já leu o rótulo dele? Se não, olha a próxima foto.

Um dos vinhos verdes mais famosos no Brasil

A vinícola do Casal Garcia é a Quinta da Aveleda e fica pertinho do Porto, super recomendamos uma visita – Veja aqui um artigo completo sobre como visitar a Quinta da Aveleda.

A harmonização com vinhos verdes

Os vinhos mais ácidos costumam ser servidos a temperaturas mais baixas, assim a acidez é mais refrescante.

É aconselhado acompanhar os vinhos ácidos com frutos do mar e peixes de água salgada. Combina bem com as bacalhoadas, saladas, risotos de frutos do mar e salmão. Combina também com comida japonesa como os sushis, sashimis, ou pratos com polvo.


Gostou de aprender o que é o vinho verde? Já sabia? Deixa seu comentário aí embaixo.

Precisa enviar dinheiro para outro país?

Já existem formas mais inteligentes e baratas que enviar pelo banco.

Envie dinheiro com segurança pela melhor taxa de câmbio do Brasil.

Faça já a sua simulação e use o cupom: 5CANTOS

Clique aqui para receber a cotação diária do Euro e Dólar gratuitamente

Sobre mim

Olá, meu nome é Ingrid.
Sou Engenheira, Foodie e Escritora de viagem :)

Tenho uma curiosidade infinita pelas diferentes formas de viver, culturas, tradições e sabores.

Já passei por mais de 30 países e hoje sou nômade digital, trabalho de qualquer lugar do mundo, mas escolhi o Porto como lar.

Conecta-te comigo
Planeje sua Viagem
Descubra os buscadores que usamos para pagar mais barato e viajar mais
Grátis
Compartilhe esse artigo com seus amigos
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Autor desse artigo:

Deixe um comentário

Translate »