8 Curiosidades sobre Portugal

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest
Veja o índice desse artigo

8 Curiosidades sobre Portugal

Alguns dos melhores recursos de Portugal estão longe de ser secretos: vinho do porto, castelos medievais, muitas receitas e gostos de bacalhau – a palavra portuguesa de bacalhau.

Mas há outros lugares, coisas e fatos menos conhecidos, e eles apenas tornam o caso mais forte para adicionar Portugal aos seus destinos.

Aqui estão algumas coisas a ter em mente na próxima vez que você estiver conversando com um local. Porque, se há alguém que aprecia uma boa parte da história, é o português.

Portugal nos deu “chá”

Bem, na verdade não é chá para beber, mas eles são responsáveis ​​pelo nome que usamos. Quando o primeiro português encontrou chá na China, falaram-lhe que se chamava Chá.

O primeiro encontro publicado com o chá (sob o nome que conhecemos e amamos hoje) foi em 1560 pelo missionário português Gaspar da Cruz. Portugal – o primeiro destino europeu a começar a beber chá – desempenhou um papel importante na introdução da bebida em destinos ao longo das suas rotas comerciais no século XVI.

O caractere chinês para chá é um só (茶), mas tem duas formas completamente distintas de se pronunciar. Uma é ‘te’ que vem da palavra malaia para a bebida, e a outra é usada em cantonês e mandarim, que soa como cha e significa ‘apanhar, colher’.

Esta duplicidade fez com que o nome do chá nas línguas não chinesas as dividisse em dois grupos:

  1. Línguas que usam derivados da palavra Te: alemão, inglês, francês, dinamarquês, hebraico, húngaro, finlandês, indonésio, italiano, islandês, letão, tamil, sinhala, holandês, castelhano, arménio, galês e latim científico;
  2. Línguas que usam derivados da palavra Cha: hindi, japonês, português, persa, albanês, checo, russo, turco, tibetano, árabe, vietnamita, coreano, tailandês, grego, romeno, suaíli e croata.

Agora mais uma curiosidade: Pense no maior estereótipo de pessoa inglesa que você possa imaginar. Tenho certeza de que não importa o que você tenha pensado, essa pessoa tem uma xícara de chá na mão. 😅.

E se eu te falar que quem foi responsável por essa cultura foi uma Portuguesa? Catarina de Bragança (filha do rei português João 4º) que ganhou a mão do rei inglês Charles 2º.

Na verdade, o chá poderia ser encontrado na Inglaterra antes da chegada de Catarina, mas não era muito popular.

Esse casamento a transformou em uma mulher muito importante: a rainha da Inglaterra, Escócia e Irlanda. Diz a lenda que ela tinha na mala folhas de chá – e que possivelmente faziam parte do dote.

Quando a nova rainha chegou à Inglaterra, o chá era consumido apenas como remédio. Acreditava-se que ele dava vigor ao corpo e mantinha o baço livre de obstruções. Mas, como já era acostumada a beber o chá como parte de sua rotina diária, ela manteve seu hábito, tornando-o popular como uma bebida social em vez de apenas um tonificante.

Seu hábito influenciou as mulheres da corte, que se apressaram a copiá-la para tentar fazer parte de seu círculo. Tornou-se um hábito da nobreza, apenas a elite e os setores mais ricos da sociedade o bebiam. A justificativa era o preço, visto que o chá possuia muitos impostos e a Inglaterra não tinha uma rota direta como Portugal possuia.

Aos poucos o produto foi associado à sociabilidade das mulheres de elite na corte real, da qual Catarina era o mais famoso emblema. E é claro, que as pessoas não famosas as copiaram.

Lembre disso quando tomar o próximo chá!

E Tempura

O Tempurá [天ぷら] para quem não sabe, é um prato muito popular no Japão. São vegetais ou mariscos empanados finamente e fritos, com uma consistencia bem crocante.

Atualmente o mais comum é o de camarão, mas originalmente era o peixinhos da horta, de feijão verde.

Muitos pensam que o tempura é originário da Ásia, considerando os muitos pratos que ainda são cozidos da mesma maneira hoje. Mas o método de cozimento é realmente de Portugal.

A receita foi levada por jesuítas portugueses nos meados do século XVI. Naquela época, o país encontrava-se em guerra civil e os portugueses forneciam materiais para os japoneses. Além de balas, chegavam receitas e outros ingredientes.

Alguns dizem que a palavra tempura deriva de “temperar”, outros dizem que vem de “Tempora”, uma palavra em latim que se traduz como “um período de tempo” e que provavelmente fazia referência aos 40 dias da Quaresma, quando o tempura de legumes e frutos do mar passou a ser uma alternativa de alimentação para os missionários que levaram a receita.

Você pode encontrar facilmente feijões verdes que são mergulhados em massa e fritos chamados peixinhos da horta, ou “peixes de jardim”, em restaurantes em todo o país.

Os japoneses adaptaram a receita, deixando a massa mais fina, usando um óleo mais leve e acrescentando mais vegetais, até chegar ao prato que conhecemos hoje em dia. Atualmente já encontras tempura de berinjela, abóbora, cenoura, cebola, vagem, brócolis, e com peixes e frutos do mar.

Portugal é o Estado-nação mais antigo da Europa

Portugal manteve suas fronteiras originais desde 1139, tornando-se o país mais antigo da Europa. 

Para colocar isso em um pouco de perspectiva, Lisboa tem cerca de quatro séculos mais do que Roma.

E é o lar da livraria mais antiga

A Livraria Bertrand existe desde 1732. Você pode encontrar esta história no bairro Bairro Alto de Lisboa. A livraria foi destruída em um terremoto que abalou a cidade em 1755, mas foi movido para o mesmo local em que você pode encontrá-lo hoje em 1773.

Sintra tem um microclima

Sintra é uma pequena cidade a 30 minutos de carro de Lisboa e é conhecida por inspirar os contos de fadas de Hans Christian Andersen. Com suas estradas sinuosas de montanha, palácios corajosos e atmosfera coberta, não é difícil imaginar príncipes e princesas passando seus dias na montanha desta cidade turística agora ocupada. Mas a coisa mais interessante sobre Sintra pode ser seu clima – a área é o lar de um microclima.

Sintra é visivelmente mais frio do que Lisboa e tem mais nuvens e nevoeiro, que rapidamente irá entrar e sair das montanhas fazendo algumas oportunidades surpreendentes de fotos. De alguma forma, esse padrão de tempo estranho dá-lhe ainda mais uma sensação de livro de histórias.

Há um Festival onde você é incentivado a bater um alho nas pessoas

Na noite de 23 de junho, os portugueses vão às ruas para celebrar o festival de São João. 

É possível encontrar celebrações em cidades ao redor do país, mas a mais famosa e emblemática é no Porto, onde você sempre encontrará a cidade com aroma de sardinhas assadas e pimentos, bandeirinhas pelas ruas, espetáculo de fogos à meia noite e ruas sempre lotadas.

O festival tem raízes pagãs e segue um antigo ritual de namoro – muitos se referem ao evento como “o festival dos amantes” – muito útil em épocas que o mundo virtual não ajudava e os comportamentos eram mais tímidos.

Nesta noite, o tradicional era encontrar pessoas batendo ramos de alho naqueles que acham atraentes, essa era a noite para finalmente fazer seu flerte te notar. Atualmente a tradição já foi substituida em sua maioria por martelos de plástico ou infláveis ​​e toda gente sai a bater martelos em todos por diversão.

A onda mais grande que alguém já surfou foi na costa portuguesa

Em novembro de 2011, o surfista Garret McNamara fez os livros de registro montando a maior onda de surfados por um ser humano. A onda rolou em Nazare, Portugal e subiu 78 pés.

A impressionante estrada de ferro de São Bento costumava ser um mosteiro beneditino

Você não encontrará muitas outras estações de trem tão bonitas. Este centro de transporte abriga um visual deslumbrante da história de Portugal sob a forma de painéis de azulejos. Mas antes que as pessoas estivessem correndo para pegar trens neste espaço, era um mosteiro beneditino.

O mosteiro foi construído no século 16, mas desmoronou durante um incêndio em 1783. Foi eventualmente reconstruído, mas depois de cair em desordem novamente no século XIX, o rei Carlos I decidiu incluir a área como parte importante da expansão ferroviária em Portugal. O rei colocou a primeira pedra da ferrovia de São Bento em 1900.

Sobre mim

Olá, meu nome é Ingrid.
Sou Engenheira, Foodie e Escritora de viagem :)

Tenho uma curiosidade infinita pelas diferentes formas de viver, culturas, tradições e sabores.

Já passei por mais de 30 países e hoje sou nômade digital, trabalho de qualquer lugar do mundo, mas escolhi o Porto como lar.

Conecta-te comigo
Planeje sua Viagem
Descubra os buscadores que usamos para pagar mais barato e viajar mais
Grátis

Autor desse artigo:

Compartilhe esse artigo com seus amigos
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

2 comentários em “8 Curiosidades sobre Portugal”

Deixe um comentário

Translate »