Maragogi

Com as piscinas naturais mais famosas do Alagoas, o mar de Maragogi parece uma pintura. O principal atrativo são as piscinas naturais que dependem das marés baixas para serem aproveitadas. Os catamarãs levam entre 20 e 30 minutos para chegar às piscinas naturais, e os passeios costumam permanecer lá uma hora e meia, então chegue com antecedência pra não perder o barco.
Não saia de casa se consultar a tábua de marés e saber se haverá piscinas naturais no dia e em que horário. Caso prefira, feche um passeio diretamente com as empresas de turismo que ficam oferecendo seu serviço na orla de Pajuçara, em Maceió. Os horários variam diariamente, porque a maré baixa ocorre com uma diferença de meia hora a 45 minutos a cada novo dia.
SUPER IMPORTANTE: Antes de ir à Maragogi, consulte a tábua de maré, clique aqui para o site. Para visitar as piscinas naturais, o ideal é pegar uma maré menor que 0.6.

Conhecida por ser a segunda maior barreira de corais do mundo, as piscinas ficam a 6km da praia. Com tamanha extensão, os corais abrigam uma rica fauna marinha que poderá ser vista nos mergulhos.
Vale lembrar que a maioria das piscinas naturais de Alagoas, não apenas Maragogi, possui um número limitado de visitantes por dia, fazendo com que as agências revezem as piscinas principais.
Aqui os passeios são feitos para uma quantidade maior de pessoas e acabam oferecendo um serviço menos pessoal, mas as piscinas compensam. Caso queira mais exclusividade e uma piscina não tão lotada, opte por visitar as outras piscinas, que não sejam as principais de maragogi, assim você terá um mergulho mais tranquilo e menos companhia.
O restaurante do Alto Cruzeiro fica na parte mais alta da cidade e possui uma vista panorâmica do mar, caso esteja com tempo, vá lá, nem que seja pra beber algo e apreciar a vista.

Filadélfia: Pontos turísticos e O que fazer

Visão geral sobre o lugar, história e o que esperar

Filadélfia, no Estado da Pensilvânia, é berço americano, conhecida como a “cidade do amor fraterno” e símbolo do patriotismo norte-americano.
Quando você ver aqueles filmes com pessoas emocionadas com o hino nacional e colocando bandeiras por toda parte… é lá! Afinal, foi lá que foi assinada a carta que decretou a independência do país e mais, foi local de criação da primeira, e única, Constituição local.
A cidade é cheia de parques e museus, sabe aquele lugar onde você se imagina morando? Com toda estrutura, facilidade de locomoção, além de uma bela arquitetura e uma agitada vida cultural. Mas apesar de sua enorme relevância histórica, a Filadélfia é tranquila, segura e com um clima que lembra uma pacata e rica cidade no interior.
Ela é cheia de símbolos da luta dos EUA pela independência:
Sabe o Liberty Bell, aquele sino rachado que se tornou representante do combate contra as forças britânicas? Está lá!
Sabe o Independence Hall, local onde foi assinada a declaração de independência americana? Está lá!
Além de estar inserida em filmes POP também:
Lembram do filme “Rocky”, de Sylvester Stallone, e aquela escadaria que ele subia pra treinar? Está lá!
O filme “O Sexto Sentido” também usou a cidade como locação.
A Filadélfia é fascinante…isso porque ainda nem falei das comidas! Um dos meus sanduíches preferidos no mundo foi inventado lá. Mas vamos ao roteiro.
Para ver sugestões de roteiro de 1 dia, clique aqui. Ou clique aqui pra ver sugestão de roteiro de 2 dias.


Nossa dica: Baixe o App no MyMaps do Google e salve esse mapa em seus mapas, assims erá possível ver offline. Colocamos as explicações de cada item no mapa também, basta clicar nos pontos de interesse. 😉


O que fazer

:: Visitor Center

Pare primeiro no Visitor Center. Pegue um mapa e também um ticket gratuito para o Independence Hall.

  • Endereço: 6th and Market Streets Philadelphia, PA 19106

:: Reading Terminal Market

O mercado central da Filadélfia, ideal que seja sábado. Aqui além de lugar para comer, é ponto turístico.
O mercado funciona neste local desde 1892 (antes disso, já operava na rua) e algumas coisas não mudaram desde a inauguração: o balcão do sorvete Basset’s continua ali, e os Amish continuam vindos de Lancaster para vender seus (deliciosos) produtos quatro dias por semana.
Venha com fome: há muitas especialidades locais para experimentar.

  • Doces Amish – Díficil escolher um só. Se possível, vá em algum stand que você possa pegar um pouco de cada pra provar o máximo, são divinos!
  • Stand do Tonny Dinic’s – O sanduíche mais famoso do Mercado. Hoaggie (aqui é o nome para sanduíche feitos em pão que lembra uma baguete) recheado com carne de porco assada, queijo provolone cortado da peça na hora e brócolis refogado (pulled pork). Tudo isso regado a um molho feito com a base no porco. Muito bom!
  • Bassetts Ice Cream – Tem vários sabores incríveis. O de Baunilha é um sonho, mas tentem o de abóbora também.

Para acessar o site oficial do Reading Terminal Market, clique aqui.

:: Independence Hall

Um lugar sagrado para os americanos. Ali fica o Independence Hall, o prédio onde foram escritas tanto a Declaração de Independência quanto a Constituição americana.
Em pouco mais de meia hora é possível percorrer o prédio que foi restaurado e tem mobiliária da época e a cadeira original onde George Washington presidiu a Convenção Constitucional. O tour funciona de 9:00 as 5:00 da tarde todos os dias, menos no dia 25 de dezembro.
Também pode ser visitado o sino quebrado que anunciou a independência.
Do lado, tem a primeira Prefeitura da Filadélfia, a primeira Casa da Moeda americana e algumas paredes que não foram derrubadas da Casa do Presidente, construção que tinha o mesmo papel da Casa Branca enquanto o município foi a capital americana.

:: Market Street

Essa é uma das ruas principais do centro e tem várias lojas. Ela não é boniiiita não, mas fica de frente para o City Hall, melhor ângulo para as fotos.

:: City Hall

Aqui, é o Marco zero da cidade, um dos prédios mais impressionantes em Downtown Philadelphia, que é o maior prédio municipal dos Estados Unidos e uma das maravilhas arquitetônicas da cidade. São mais de 700 salas, muitos detalhes na arquitetura e várias esculturas. A mais famosa de todas, a escultura do William Penn que fica em cima da torre do relógio e pode ser visto de várias partes da cidade.

  • Ingresso: Grátis

:: JFK Plaza / Love Park

Muito perto do City Hall fica uma praça lindinha, a JFK Plaza, também chamada de Love Park, pois é onde está uma réplica daquela famosa escultura “LOVE” de Robert Indiana representando a essência de amor fraterno da cidade..
As vezes tem um pessoal alternativo dançando e cantando, umas crianças andando de skate…vale curtir o momento.
No canto contrario ao City Hall começa a Benjamin Franklin Parkway, o Champs-Elysées da Filadélfia, que vai te levar até a zona dos museus, mas é longe, já aviso. Mas se tiver com tempo e disposição, pode ir à pé, a paisagem compensa.

:: Masonic Temple

Esse é o maior templo massônico do mundo e é possível fazer tours guiados pelo templo.

:: Comcast Center

Esse é o prédio da Comcast, uma das maiores operadoras de cabo dos Estados Unidos. Não é necessário entrar, apenas observe a tela gigante de LED em alta definição com 190 m² no hall de entrada, que fica passando informações e vídeos com uma definição incrível pra esse tamanho todo.

:: Museu de Arte da Filadélfia

Mesmo não tendo tempo de entrar e explorar o museu, vá até lá pra tirar uma foto nas escadarias, que foi cenário marcante do filme Rocky: Um Lutador, de 1976. Lá no alto dos degraus há o registro em bronze das pegadas do lutador, e lá embaixo do lado esquerdo de quem desce tem uma estátua do Rocky Balboa. Não seja tímido e imite a pose dele para uma foto! 🙂
Perto do museu tem também a primeira penitenciária do país, que teve o gângster Al Capone como um de seus presos e hoje pode ser visitada por turistas.

:: Rio Schuylkill

Contornando o museu pela esquerda você chega à beira do rio Schuylkill. Por ali, uma estação de tratamento de água se transformou num museu sobre o assunto. A vista para as boathouses, galpões onde se guardam barcos, é muito bonita.

:: Museu Rodin

Expõe a maior coleção de originais do marido de Camille Claudel fora da França. Trata-se de uma coleção particular que foi deixada para o Estado. Mesmo sem entrar você já pode contemplar a réplica da Porta do Inferno, o mural inspirado no Inferno de Dante que é a obra-prima de Rodin.

:: Museu de Arte da Filadélfia

Se tem um dia sobrando volte e entre no Museu de Arte da Filadélfia. O prédio principal guarda o maior acervo de arte dos Estados Unidos (tem Van Gogh, Duchamp, Picasso, Cézanne).

  • Ingresso: Adulto $20.00  e Criança $14.00

:: Amish Country – Lancaster

Se tiver um dia extra, sugiro que visite Lancaster City para conhecer um pouco mais sobre a cultura dos Amish, um grupo religioso cristão anabatista.  São conhecidos por seus costumes conservadores, como o uso restrito de equipamentos eletrônicos, inclusive telefones e automóveis.
Os Amish são descendentes dos grupos suíços de anabatistas chamados de Reforma radical. Os primeiros Amish começaram a migrar para os Estados Unidos no século XVIII, para evitar perseguições e o serviço militar obrigatório, pois são radicalmente contra todas as formas de violência e, por conta disso, os membros da comunidade não ingressam nas Forças Armadas de seus países. Atualmente eles vivem em comunidades nos Estados Unidos e Canadá, existem comunidades em mais de 28 dos 50 estados norte-americanos, e seus integrantes somam mais de 300 mil pessoas.
Eles preferem viver afastados do restante da sociedade. Eles não prestam serviços militares, não pagam a Segurança Social e não aceitam qualquer forma de assistência do governo. Eles também não gostam de ser fotografados, pois interpretam que, de acordo com a Bíblia, um cristão não deve manter sua própria imagem gravada. Até as meninas Amish brincam com bonecas sem rosto, pois segundo suas crenças, os brinquedos desprovidos de face desencorajam a vaidade e o orgulho.
Ao contrário de outros grupos cristãos, que tentam converter pessoas para a sua fé, os Amish não participam de missões nem de trabalhos de evangelização para aumentar o número de fiéis. Aliás, quem quiser se converter primeiro precisa aprender o dialeto falado pelos Amish, abandonar todos os luxos da vida moderna, passar uma temporada na comunidade e ser aceito por todos por meio de uma votação.
É possível visitar fazendas, plantações, restaurantes, galerias de arte, boutiques, o Mercado Central e vilas como Adamstown, Lititz, Strasburg, ou Intercourse. E ainda realizar um passeio histórico.
Eles possuem um site oficial para visitantes, clica aqui.


:: Compras

Caso esteja por perto e queira tirar um dia para compras, você pode ir à cidade vizinha: King of Prussia. Lá está localizado o King of Prussia Mall, o maior centro de compras da Costa Leste americana. Para preços mais em conta, vá ao Philadelphia Premium Outlets, em Limerick.


:: Clica aqui pra ver O que saber antes de ir para a Filadélfia
:: Clica aqui para ver Onde comer na Filadélfia: Melhores restaurantes, bares e lanchonetes
:: Clica aqui para ver um roteiro de 2 dias na Filadélfia
:: Clica aqui para ver um roteiro de 1 dia na Filadélfia

Filadélfia: Quando ir

Temperatura durante o ano e melhores datas

Se procura meses mais quentes com temperaturas na casa dos 30 °C, vá entre junho e agosto.
O inverno lá não é brincadeira e pode ser beeeem rigoroso depois do Natal.
Uma boa data pra visitar a cidade é em 4 de julho, onde a cidade se torna uma das mais visitadas por ser o berço do país. A parada da festa da Independência dos Estados Unidos acontece na Rua Market e a queima de fogos no Museu de Arte da Filadélfia.

Fonte: Wikipedia
Fonte: Wikipedia


Informações Importantes

  • Site: www.phila.gov
  • População: 1.533.000 hab
  • DDD: 215
  • Fuso horário: +3h (horário de Brasília)
  • Distância de outras cidades: Nova York: 138km; Boston: 440km; São Francisco: 4052 km.

:: Clica aqui pra ver O que saber antes de ir para a Filadélfia
:: Clica aqui para ver Onde comer na Filadélfia: Melhores restaurantes, bares e lanchonetes
:: Clica aqui para ver um roteiro de 2 dias na Filadélfia
:: Clica aqui para ver um roteiro de 1 dia na Filadélfia
:: Clica aqui pra ver mais sobre os Pontos turísticos e O que fazer na Filadélfia

Santiago: Quando ir, melhores épocas e clima

Para escolher a melhor época pra visitar Santiago você deve levar em consideração duas variáveis muito importantes: Clima e Clima. rs Escolher a melhor data vai depender do que você procura nessa viagem, se busca neve, frio e esqui, viaje entre Julho e Setembro, onde é mais garantido de encontrar neve. Se busca um clima … Ler mais Santiago: Quando ir, melhores épocas e clima

Maceió – O que fazer

Organizei esse post em sub tópicos, e é só buscar por maceió no blog pra você conseguir ver tudo. Mas foi impossível fazer um post menor sobre o que fazer em Maceió, afinal, opções não faltam. Fiz um outro post com sugestões de roteiro separadinhas, e aqui coloquei tudo que tem pra ser feito com … Ler mais Maceió – O que fazer

Cartagena: Quando ir

Cartagena das Índias ou Cartagena é banhada pelo Mar do Caribe na região oeste. Ao sul está a Baía de Cartagena que tem duas entradas: Bocachica, no sul, e Bocagrande, no norte.
É um lugar que faz calor praticamente o ano todo, o que facilita a programação da viagem. Prepare-se para enfrentar um calorão, independente da época.
Cartagena está fora da rota de furacões que atingem partes do mar do Caribe. De qualquer forma, vale informar que a temporada de furacões vai de junho a novembro.

Temperatura durante o ano

Média anual de temperatura: 27ºC. Mas devido à umidade, a sensação térmica vai bem além. Evite alguns passeios ao meio dia, é realmente cansativo e desgastante.

Chuva

Em relação à chuva, o ano pode ser dividido em dois: De maio à novembro – Onde as chuvas e dias nublados são mais frequentes. De dezembro à abril é considerado seco.
É preferível evitar os meses de chuva, pois as ruas podem ficar cheias de água e alguns passeios podem ser prejudicados. Mas o tempo é inconstante e, mesmo viajando no período de chuvas, você poderá aproveitar belos dias de sol e com muito calor.

Alta temporada

A alta temporada de Cartagena são os meses de Dezembro à Janeiro e entre Julho e Agosto. Esses meses costumam ser movimentados na cidade e ter preços de hospedagem mais elevados. Nos demais meses a cidade não fica vazia, ela recebe durante o ano inteiro turistas, mas os preços são mais amigáveis e será menos provável ter de esperar muito em filas.

Conclusão

Opte por viajar em março ou abril, que é uma das melhores épocas para ir a Cartagena. Assim, você não pega a cidade lotada e nem é surpreendido com alguma tempestade indesejada.

clima-cartagena-colombia
Gráfico de evolução anual de temperaturas e precipitações | Fonte: Word Meteo.